O que é um visto E-2? requisitos e critérios de elegibilidade - EB5Investors.com
Informação sobre vistos

O que é um visto E-2?

Por Ashkan Emami

Como o visto E-2 é um visto baseado em tratado, deve-se notar desde já que existem muitos países que não possuem tratados E-2 com os Estados Unidos e cujos cidadãos, portanto, não são elegíveis para este visto. As maiores dessas nações inelegíveis são: China, Índia, Brasil e Rússia. Você pode ler a lista completa de países elegíveis para o tratado SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

O visto E-2 pode ser uma opção atraente para investidores que consideraram EB-5 e que são de um país elegível do tratado. O objetivo deste artigo é ajudar os investidores a determinar se o E-2 é apropriadoe forneça um guia passo a passo para o processo de inscrição.

O que é o Visto E-2?

O visto E-2 é um baseado em investimento visto de não imigrante para empreendedores que desejam vir para os Estados Unidos para abrir e operar um negócio. Os regulamentos referem-se a ele como “Visto de Investidor de Tratado” e isso significa simplesmente que deve haver um tratado entre o país de origem do investidor e os Estados Unidos que permita ao investidor solicitar o E-2. Como mencionado acima, a China, a Índia, a Rússia e o Brasil são alguns dos maiores países não elegíveis.

O visto E-2 permite que proprietários e diretores tragam funcionários essenciais de seu país de origem para ajudar em seus negócios. Além disso, o visto não possui requisitos rígidos de trabalho, ao contrário do Programa EB-5. No entanto, o estrangeiro deve demonstrar que a empresa pode gerar significativamente mais rendimentos do que o necessário para proporcionar a subsistência ao estrangeiro, o que significa criar empregos e ter um impacto positivo na economia dos EUA.

O visto E-2 permite que cônjuges e filhos solteiros menores de 21 anos entrem nos Estados Unidos com o requerente principal. Eles têm permissão para trabalhar e frequentar a escola sem obstáculos.

É importante ter em mente que o E-2 não leva diretamente a residência permanente, porém, o visto pode ser prorrogado indefinidamente, pois não há limite de duração. Embora alguns investidores possam ver isto como uma limitação, há muitos investidores que não têm o objectivo imediato de residência permanente. Mesmo assim, ainda existem opções de residência permanente para os investidores que desejam solicitar um green card posteriormente, enquanto estiverem no status E-2.

Elegibilidade

O primeiro critério de elegibilidade é a nacionalidade do investidor. Somente investidores de países em esta lista são elegíveis para solicitar o visto. Uma vez estabelecida a elegibilidade ao tratado, o investidor deve satisfazer vários outros critérios. Uma análise desses critérios está abaixo:

Quanto dinheiro precisa ser investido?

Os regulamentos não especificam um valor exato de investimento necessário para o visto E-2. No entanto, existem muitas pistas para ajudar a determinar uma quantidade “segura”. A primeira pista é que o investimento deve ser substancial. Para determinar se um investimento é substancial, o funcionário consular realizará um “teste de proporcionalidade”. O teste é uma avaliação dos dois números a seguir: Valor do investimento versus custo de compra ou criação de um negócio estabelecido. Aqui está um exemplo para ilustrar:

Giorgio, da Itália, está solicitando um visto E-2 para abrir um novo cafeteria em Hollywood. Ele investiu $ 150,000.

  • Cenário 1: Com seu requerimento, ele apresenta evidências de que uma cafeteria existente no bairro foi vendida por US$ 150,000 mil no ano passado. Neste caso, Giorgio provou que o seu investimento é 100% proporcional ao custo de aquisição de uma cafetaria existente. (Investimento de US$ 150,000 versus custo de US$ 150,000 de negócios estabelecidos).
  • Cenário 2: Desta vez, Giorgio apresenta a sua candidatura mostrando que investiu 150,000 dólares, mas não tem provas de que outra cafetaria esteja a vender a esse preço. Em vez disso, ele recebe uma carta da Câmara de Comércio de Hollywood mostrando que o custo médio para abrir uma cafeteria em Hollywood é de US$ 125,000 mil. Ele também fornece uma carta de uma cafeteria local explicando que seus custos iniciais foram de apenas US$ 100,000. Aqui, Giorgio provavelmente também provou que seu investimento é proporcional. (Investimento de $ 150,000 vs. custo de $ 100-125,000 para abrir uma cafeteria).

Uma observação importante aqui é que quanto mais caro um negócio, menos proporcional deve ser o investimento. Por exemplo, uma empresa de consultoria pode tornar-se operacional e bem sucedida com um investimento inicial tão baixo como 60,000 dólares (provavelmente ainda menos), no entanto, uma grande instalação de produção requer um investimento muito maior para funcionar devido ao custo de aluguer, equipamento, funcionários, etc. Portanto, se o negócio proposto for uma consultoria, é altamente recomendável que o investidor comprometa todo o valor antes da aplicação. No entanto, se o negócio proposto exigir normalmente infra-estruturas substanciais, os investidores poderão satisfazer o responsável com uma fracção menor do montante do investimento. Muitos consulados usam as seguintes escalas:

  • Para empresas que necessitam de um investimento inferior a US$ 500,000, recomenda-se que 85 por cento para 100 por cento dos fundos são investidos antes do depósito;
  • Para empresas que exigem entre US$ 500,000 e US$ 3 milhões, 50% o investimento é suficiente.
  • Para empresas superiores a US$ 3 milhões, 30% é considerado substancial.

Além disso, o montante do investimento deve ser suficiente para demonstrar o comprometimento do investidor com o sucesso do negócio. Se o funcionário consular acreditar que o investidor vale 100 milhões de dólares, é improvável que um investimento de 60,000 dólares convença o funcionário do seu compromisso. Por outro lado, para o investidor médio que vale US$ 300,000, uma quantia de US$ 100,000 provavelmente será considerada grande o suficiente para provar o comprometimento com o sucesso do negócio.

Quando o dinheiro deve ser investido?

O negócio proposto deve estar muito próximo de estar operacional no momento da apresentação da petição E-2. Isto significa que o funcionário consular gostaria de ver que os fundos e ativos foram irrevogavelmente comprometidos com a empresa. Um negócio que existe apenas no papel, com investimentos especulativos ou ociosos, não se qualifica. Os investimentos ainda não têm de ser realizados na sua totalidade, mas os investidores devem estar preparados para documentar como uma parte significativa dos fundos já foi gasta e como pretendem gastar o resto. Aqui estão algumas regras gerais para despesas normais:

  • Aluguel: Os investidores NÃO PODEM contar o valor total do arrendamento, mas apenas contar o período pago antes do depósito. Os investidores que ainda não tomaram posse do espaço poderão contar com um mês de aluguel.
  • Novos bens ou equipamentos: Os investidores PODEM contabilizar o valor total de todos os equipamentos adquiridos para o negócio.
  • Bens ou equipamentos existentes: Os investidores PODEM contar a quantidade total de equipamentos adquiridos anteriormente, desde que possam comprovar que o equipamento será utilizado para fins comerciais.
  • Outras despesas: Despesas com marketing, branding, web design, etc. PODEM ser utilizadas em seus valores integrais para o investimento E-2. Deve ser apresentada documentação adequada que comprove essas despesas.

Deve-se notar aqui que muitos investidores E-2 desejam adquirir empresas existentes, mas também desejam proteger-se de perdas massivas no caso de o pedido ser negado. Nestes casos, os regulamentos permitem que o investidor celebre um acordo de garantia onde a liberação dos fundos da compra é dependente da aprovação da petição E-2.

Como comprovar o investimento

Embora não seja tão rigoroso quanto o Processo EB-5, o E-2 também exige que o investidor comprove a origem dos recursos de investimento. A prova da origem dos fundos ao funcionário consular consiste em duas partes:

  • Primeiramente, o investidor deve demonstrar a posse e o controle dos recursos investidos. Este requisito pode ser satisfeito fornecendo documentação que demonstre como o dinheiro foi adquirido. Os regulamentos permitem dinheiro derivado de renda, doação ou herança. Os fundos provenientes de um empréstimo só são elegíveis se o investidor estiver pessoalmente responsável para o empréstimo.
  • Em segundo lugar, o requerente deve provar que o investimento provém de fontes legais. Normalmente, este requisito é satisfeito pela documentação fornecida no item 1 acima. Às vezes, são necessárias várias camadas de documentação. Por exemplo, se os fundos foram obtidos através da venda de imóveis, os requerentes poderão ter de apresentar prova da venda e prova de como os fundos foram obtidos para comprar o imóvel.

Quais documentos são necessários?

Consulados diferentes podem ter critérios ligeiramente diferentes, mas os candidatos provavelmente serão obrigados a fornecer uma variedade de documentos, incluindo contratos de arrendamento e compra, extratos bancários, recibos e ordens de compra, histórico salarial, documentação de presentes ou venda de imóveis e planos de negócios.

Processo de aplicação

Como a aprovação E-2 depende do desenvolvimento de um negócio, todo o processo requer cálculos complexos, pesquisas de mercado e planejamento avançado. Como tal, as partes interessadas são incentivadas a consulte um advogado e conselheiros o mais cedo possível no processo.

Os investidores interessados ​​podem solicitar a classificação E-2 através do Formulário I-129 para alterar seu status de outra classificação legal se já estiverem nos Estados Unidos, ou preenchendo o Formulário I-129 de fora dos Estados Unidos.